Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Politica de Privacidade .

Referência entre os Sedãs, Virtus atinge 10ª vitória em comparativos de imprensa

Criado em 25/11/2021

Lançado há menos de três meses, o Virtus já atinge 10 vitórias contra seus concorrentes em comparativos de imprensa, tornando-se a nova referência entre os sedãs no Brasil.

De acordo com o Jornal do Carro, “em todos os cenários, o Virtus se sobressai frente aos concorrentes”. Neste caso, o Virtus Highline 200 TSI, com 95,5 pontos, venceu com ampla vantagem o Fiat Cronos Precision (89,5 pontos) e o Novo Honda City ELX (86 pontos).

No comparativo da revista Carro, o Virtus Comfortline 200 TSI atingiu 234,5 pontos, muito à frente dos concorrentes Novo Honda City (220 pontos), Fiat Cronos (219,5 pontos) e Chevrolet Cobalt (201,5 pontos). No veredito, a revista destaca: “Para quem gosta de dirigir, o Volkswagen Virtus é o modelo que proporcionará a melhor experiência.”

A revista Car and Driver também elogia o Virtus: “Atinge em cheio aqueles que estão à procura de um sedã espaçoso, moderno e que coloca um sorriso de canto de boca no motorista em uma acelerada mais vigorosa.” No comparativo, o Virtus atingiu 447 pontos, contra 443 do Fiat Cronos.

Já o site Motor 1 / Carplace comparou o Virtus com o Toyota Corolla, em razão do porte do modelo da VW, de 4,48 m de comprimento e 2,65 m de entre-eixos, que equivale ao de um sedã médio. E por isso. “O Virtus, mesmo completão, é consideravelmente mais barato, tanto na compra quanto no pós-venda, sendo inclusive mais econômico”, destaca o site.

No site Carsale, o comparativo foi contra o recém-reestilizado Honda City, com mais uma vitória do Virtus: “Mais espaçoso, com uma boa oferta de equipamentos nas versões mais caras, além do conjunto mecânico mais eficiente, o Virtus também levou vantagem nos custos de manutenção e seguro, vencendo o comparativo por ser uma opção mais interessante em termos de custo-benefício”.