Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Politica de Privacidade .

Avaliação: VW Taos Comfortline tem melhor custo-benefício

Criado em 27/11/2021

Rodamos uma semana com a versão de entrada do Volkswagen Taos.

Poucos compradores do Volkswagen Taos optam pela versão Comfortline, que é a de entrada. A maioria prefere a versão Highline. A diferença de preço entre as duas versões do Volkswagen Taos é grande, por isso rodamos uma semana com Taos Comfortline na cidade e na estrada e analisamos seus equipamentos para ver se vale a pena. 

Acrescente mais R$ 2.100 no custo do seguro e do IPVA e temos uma diferença de R$ 29.600. Mesmo com a gasolina a R$ 7, daria para comprar 4.228 litros de combustível e utilizar o Taos por 52.000 km na estrada ou 42.000 km na cidade. Quanto tempo você leva para rodar tudo isso? Mas, antes de cravar que o Taos Comfortline tem uma relação custo-benefício mais interessante do que a do Taos Highline, vamos comparar o que cada um oferece.

Considerando os equipamentos de série, por quase R$ 30 mil a mais de custo o Taos Highline traz apenas cinco itens ausentes no Taos Comfortline: 1) assistente de farol alto; 2) alerta de ponto cego; 3) alerta de tráfego cruzado traseiro; 4) frenagem automática em manobras; 5) retrovisores rebatíveis eletricamente. São itens que não fazem falta a um motorista cuidadoso.

Quanto ao teto solar elétrico e panorâmico e ao sistema de som premium, ausentes no Taos Comfortline, eles são opcionais no Taos Highline e, caso sejam incluídos no veículo, aumentam o preço em R$ 9.520, elevando o preço do SUV topo de linha para R$ 196.805. Dá para viver sem esses dois luxos.

Mas o Taos Comfortline básico vem com todas as coisas boas do SUV médio da Volkswagen? Sim, vem. Ele já sai de fábrica com seis airbags, App Connect, três entradas USB, faróis de led ecológicos, lanternas de led, piloto automático, volante de couro com aletas para trocas de marcha manuais, rodas de liga leve de 18” e o mais importante: a notável multimídia VW Play com tela tátil HD de 10”. Para quem faz questão, o Taos Comfortline traz na linha 2022 um quadro de instrumentos digital de 8” (mas não é o mesmo do Highline).

Os opcionais do Taos Comfortline resumem-se ao Pacote Segurança (R$ 4.920), que incluiu piloto automático adaptativo, frenagem de emergência e detector de pedestres, e ao Pacote Conforto (R$ 5.570), que traz bancos com aquecimento, ajuste elétrico no banco do motorista e couro parcial nos bancos -- três itens dispensáveis para quem não faz questão de certos luxos.

Mecanicamente, o Taos Comfortline é exatamente igual ao Taos Highline. O motor 1.4 TSI tem 150 cv de potência (5.000 rpm) e 250 Nm de torque (1.500 rpm) com câmbio automático de 6 marchas e modo Sport. Como até os pneus têm a mesma medida (215/55 R18), o ajuste de suspensão (teoricamente) é o mesmo. Porém, o Taos nos pareceu mais macio agora do que na pista de testes (Highline). Com controles eletrônicos de estabilidade e tração, a Volks conseguiu imprimir um rodar mais macio aos seus carros sem prejudicar o comportamento dinâmico, que é ótimo.

O Volkswagen Taos é mais estável nas curvas do que o Jeep Compass (por conta da menor altura do solo e do centro de gravidade mais baixo) e tem um comportamento dinâmico superior ao do Toyota Corolla Cross. Seu entre-eixos de 2,680 m, combinado com os 4,461 m de comprimento, permite bom espaço para as pernas dos passageiros de trás e um bagageiro volumoso, de quase 500 litros. Para ninguém reclamar de saudade das peruas.

Mas, afinal, onde está então a vantagem da  versão Highline para custar tanto a mais? Está em alguns detalhes. Externamente, a versão Highline tem a aplicação de alguns cromados que deixam o design mais sofisticado e bonito. As rodas do Taos Highline também são mais bonitas do que as do Comfortline (design Logomera, sem acabamento diamantado e fundo escuro).

Por dentro, o acabamento do Taos Comfortline também é mais simples. O espaço, o conforto e a tecnologia estão ali, mas a sofisticação não. Um detalhe que deixa isso claro é o novo painel digital de 8”, que nem de longe é tão bonito ou tão funcional quanto o antigo painel analógico. A Volkswagen disse que todo mundo comprava o Taos Comfortline com o opcional do painel digital do Taos Highline (este sim, bem moderno e bonito) e, por isso, eliminou o quadro de instrumentos analógico. De qualquer forma, não gostamos da solução.

Conclusão: o Taos Comfortline tem, sim, um custo-benefício mais atraente do que o Taos Highline. Se a pessoa tiver dinheiro sobrando, é óbvio que a versão topo de linha é mais interessante. Mas, para uma compra racional, a versão de entrada está de bom tamanho. Trata-se de um SUV moderno e de respeito, com ótimas características para uso na estrada e que compete mais diretamente com o Toyota Corolla Cross do que com o Jeep Compass.